Cripto – moedas virtuais e blockchain

Autor: Telium Networks, 21/01/2022 às 11:00

No ano de 2008 surgiram as primeiras notícias sobre uma moeda virtual, descentralizada e segura, que utilizava uma tecnologia única e nova, tornando fraudes e alterações em seu código impossíveis.

Cercada de dúvidas e descrença do mercado, a Bitcoin foi ganhando mercado e adeptos aos poucos, até que em 2010 Laszlo Hanycez marcou a história fazendo a primeira transação de compra de um produto utilizando Bitcoin, adquirindo duas pizzas pela módica quantia de 10mil Bitcoins.

Se você fez as contas, deve saber que a quantia vale algumas centenas de milhões de dólares na cotação atual da moeda.

Afinal, o que fez com que algo que valia alguns centavos 12 anos atrás passe a valer centenas de milhares de dólares nos dias de hoje? Para responder essa pergunta precisamos entender o que são as criptomoedas e o que é o blockchain.

 

Segurança

A ideia de criar moedas digitais não é nova, com ideias surgindo tão logo a internet se tornou acessível ao público. O grande obstáculo, até 2008, era a segurança e confiabilidade nas transações financeiras descentralizadas.

Foi nessa época que a bitcoin e o blockchain surgiram no mercado.

A tecnologia do blockchain ordena blocos de informação em cadeias sequenciais, dessa forma é possível saber cada movimento que um bloco de dados tomou durante qualquer momento no tempo.

Diferentemente dos bancos que armazenam informações de saldos, o blockchain registra apenas as transações realizadas e o saldo é calculado fazendo o rastreio de toda a cadeia de transações, desde a criação da moeda.

Ao contrário do que a descrição do processo sugere, ele é bem rápido e consome pouquíssima energia, ao ponto que algumas operadoras oferecem o serviço de rastreio gratuitamente.

Isso faz com que a blockchain consiga localizar os endereços de origem e destino muito facilmente.

 

Mercado

O maior atestado à segurança da tecnologia Blockchain veio com o reconhecimento do mercado do potencial financeiro das criptomoedas.

Hoje, em 2022, já temos um grande número de opções de moedas digitais com grande valor de mercado é até mesmo o caso de um país, El Salvador, adotando o bitcoin como moeda nacional.

O mercado de cripto tornou-se uma grande oportunidade para investidores e “apostadores” financeiros que buscam altos lucros em pouco tempo, mas a volatilidade dessas moedas traz um risco considerável para quem deseja investir.

 

Efeito Musk

Um evento importante no mundo das moedas digitais e um grande atestado a sua volatilidade foi o efeito causado pelo multibilionário Elon Musk, que começou a afetar o mercado com simples tweets na internet, e um “pouquinho” de manipulação de mercado.

Por meio de simples comentários, o empresário fez com que a moeda Dogecoin (moeda que surgiu como meme) valorizasse quase 7000% em um mês e que o bitcoin oscilasse grandemente a depender dos anúncios da empresa Tesla aceitar ou não o ativo como pagamento.

Eventos como esses provam que, apesar das moedas serem seguras contra fraudes e falsificações, trazem riscos bem conhecidos ao mercado financeiro.

 

Potencial

Com tudo que foi falado, não é surpresa que as criptomoedas e a tecnologia blockchain como um todo tenham grande potencial fora de seu uso primário.

Algumas empresas já estão trabalhando com moedas digitais próprias e empresas de segurança de dados adotaram o blockchain como uma opção viável de serviço.

O fato é, essas tecnologias chegaram para ficar e ainda veremos muito sobre elas nos próximos anos.

 

 

 

Nuvem de tags